Dietas não funcionam para todo mundo. E como solucionar isso?

//Dietas não funcionam para todo mundo. E como solucionar isso?

Dietas não funcionam para todo mundo! Será que é o seu caso?

Você começa a dieta motivado, seguindo tudo á risca, e decide que dessa vez vai dar certo! A confiança em si mesmo não é das melhores, mas o importante é tentar, certo? Depois de umas três semanas você sai para comer e acaba pedindo a sobremesa. Dois dias depois se esquece de levar seus lanches para o trabalho e acaba comendo salgado na lanchonete. Já que comeu o salgado, compra aquele brigadeirinho e á noite vai na pizza que seu marido quer comer. Final de semana tem festa e você sabe que vai beber ou comer tudo. Já que a semana está ruim, você pensa “na próxima semana volto a me cuidar”. Mas não volta e isso só te faz pensar: “Eu sabia que não ia dar certo”.

Talvez você já tenha ouvido falar por ai que DIETAS NÃO FUNCIONAM. Ela pode dar certo para algumas pessoas, mas não para todo mundo.  O que isso quer dizer? Que a maior parte das dietas é realizada com intuito de reduzir o peso corporal, mas que em longo prazo, esse objetivo não é alcançado na maioria dos casos.

 

E porque isso acontece?

 

Boa parte das dietas possui um componente RESTRITIVO – que significa restringir alimentos “engordativos” com intuito de emagrecer.  Mas Fernanda, faz todo sentido não? Na verdade, não! Pois para boa parte das pessoas que fazem dieta, comer esses alimentos está fora de cogitação quando o assunto é emagrecer. Por esse motivo, quando se come os alimentos proibidos vários pensamentos vêm à tona como:

– Agora que eu já estraguei a dieta, vou parar de fazer tudo.

– Eu sabia que não conseguiria ficar sem comer, sou um fracasso mesmo.

– Como vou conseguir viver sem esse alimento? Emagrecer é muito difícil!

 

Qual o resultado disso tudo?

 

O primeiro é que isso aumenta a chance que uma pessoa tem de COMER DE FORMA EXAGERADA  a partir de um estímulo que não seja a fome (por exemplo, ansiedade, fator social, tristeza…).

O resultado com o tempo é uma variação de ciclos de restrição (“dieta rígida”) com ciclos de “perda de controle”.  A final do ciclo aparece uma sensação de culpa – chamamos isso de DIETA CRÔNICA.

Esses ciclos de DIETA CRÔNICA (e os insucessos da dieta) levam a baixa auto-estima e piora da saúde emocional – dessa forma fica mais difícil manter a restrição alimentar e por fim, vem a desistência!

 

E como melhorar o ciclo de DIETA CRÔNICA, Fernanda?

 

Não fazendo dieta! Ou melhor, reaprendendo a comer e a se relacionar com a comida. O resultado é mais equilíbrio, menos restrições, mais liberdade e consciência ao comer. E a perda de peso é uma consequência desse aprendizado.

Se você tem vontade de mudar sua forma de pensar, aqui vão algumas dicas:

 

1. APRENDA QUAIS SÃO OS GATILHOS TE FAZEM COMER

Essa é a primeira atividade que trabalho na consulta quando percebo que o paciente não está bem com sua alimentação ou tem um histórico de dietas sem sucesso. Por exemplo, o que te faz comer é fome, comer social, comer automático, comer emocional? Você pode ler um pouco mais sobre isso nessa postagem aqui.

2. SE ALIMENTE BEM PORQUE VOCÊ AMA SEU CORPO E NÃO PORQUE VOCÊ ODEIA.

Comer alimentos saudáveis pensando no que eles fazem de bom ao seu corpo é muito mais motivador do que comer apenas pensando em calorias.

Quando pensamos em nutrir nosso corpo, fica mais fácil aprender a ter prazer com alimentos saudáveis.

3.  TENHA METAS REALISTAS

Ter metas muito difíceis sobre sua dieta (por exemplo: vou parar de comer açúcar, não vou mais beber, nunca mais como arroz) e sobre a perda de peso (quero perder 30 kg em 3 meses, quero ficar super sarada x em 6 meses) aumentam a chance de insucesso e a sensação de fracasso.

Vá devagar. Pense em evoluir aos poucos. Assim você irá percebendo que consegue mudar e isso se torna mais motivador.

4. TENHA EM MENTE QUE NÃO EXISTE ALIMENTO PROIBIDO.

Um dos maiores problemas de quem está nesse ciclo restrição x compulsão é acreditar que existem alimentos que são proibidos e alimentos que emagrecem. Mas sabemos que o que leva á redução de peso e gordura corporal é o conjunto de vários hábitos e a CONTINUIDADE desses hábitos.

Tenha em seu planejamento alimentar momentos para comer aqueles alimentos que você gosta, e para ter sua vida social.

Esses momentos diminuem a pressão da dieta restritiva e facilitam a mudança de seus hábitos.

 

E ai, o que acha da ideia de não fazer mais dieta?

 

Um abraço a todos,

 

Nutricionista Fernanda Bassan

Agende sua consulta: 61 3242-2314 / 98598-4148

Nenhum comentário ainda.

Deixe seu comentário

Seu email não será divulgado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.